ELA É BONITA E LIGEIRA (A mulher na roda)

Quando se fala em mulher capoerista, é bom que todos saibam que o termo tenta mostrar, antes de tudo, aquela que luta e concorre, na roda e na vida. E é isso o que acontece com Lília Benvenuti Lima, de cognome “Criança”, nascida em Nireró(RJ), mãe de Rayanna e que durante o “III Curitiba Open de Capoeira”, no oitavo mês de gestação, recebeu a aclamação do público quando jogou na roda com seu marido, mestre Burguês, fazendo todos os movimentos que o corpo, já com o equilibrio comprometido, lhe permitia. Entre as aulas na Faculdade de Educação Física, musculação, axé, boxe e Capoeira, seu cotidiano é sempre enriquecido pelas preciosas lembranças da infancia. Foi com a mãe, Conceição Salusti Benvenuti, que aprendeu o duro ofício de ser mulher, pronta para enfrentar qualquer dificuldade da vida. Na Capoeira, onde lhe ensinaram a conviver com todas as classes sociais, ela encontra confiança e coragem para solucionar as questões que se apresentam no dia-a-dia.
Um pouco mais dessa integrante do Grupo Muzenza é revelado na entrevista que concedeu à Revista Capoeira:

Entrevista:

Você sempre pertenceu ao mesmo grupo? Fale um pouco sobre isso, Criança.
Eu era do Grupo Raízes D´África, com mestre Batata (Rio de Janeiro), mas em 1992 entrei para o grupo Muzenza no qual estou até hoje. Amo a Muzenza. Para mim é o melhor Grupo: aqui aprendi a respirar o semelhante e a encarar a Capoeira como uma profissão séria.

E o seu mestre?
Uma pessoa hiperdedicada. Respira Capoeira, luta para a arte ser reconhecida pela sociedade, como um esporte sem marginalização. Se preocupa sempre em divulgar e Capoeira, fazendo trabalhos sociais, culturais e educativos. Enfim, uma pessoa maravilhosa – linda por dentro e por fora.

Que trabalho você realiza no momento?
Leciono na sede da Academia Muzenza, em uma Pré-Escola e em outra de 1º Grau.

De quais trabalhos importantes você já participou?
Encontro Europeu de Capoeira do Grupo Muzenza (Portugal), Encontro Internacional de Capoeira (Canadá).

Lugares onde divulga a capoeira:
Sempre procurei divulgar a capoeira em todos os lugares em que vou, no Brasil e no mundo.

Qual a sua filosofia de vida?
Mente e corpo sadios.

Você pode falar um poco de seus ídolos?
O meu maior ídolo é Deus. Mas tenho forte admiração por pessoas que participaram da minha vida e que acho muito importantes: mestre Batata, que me ajudou muito capoerísticamente e me incentivou a buscar conhecimento não só com ele mas com outros grandes mestres; mestre Cid, que sempre passou para mim humildade e respeito; mestre Suassuna, pela sua alegria e simpatia dentro e fora de uma roda; mestre Barrão, pela seriedade, competência e coragem; mestre Burguês, por ser uma pessoa exigente, por ter dedicado sua vida à Capoeira e estar sempre ajudando as pessoas a procurarem o caminho de uma vida honesta.

Qual a sua opinião sobre a mulher capoerista? Ainda percebe algum preconceito com relação ao sexo feminino?
As mulheres que levam a sério a Capoeira, no futuro ultrapassarão os homens, pois já estão de igual para igual. E acredito que esse preconceito com as mulheres perante a sociedade já está sendo superado. Essa é mais uma vitória das mulheres. Por outro lado, algunas mulheres devem se impor mais na roda, jogando em todos os momentos e não só em rodas femininas.

Como os capoeiristas homens tratam a mulher na roda: o jogo é de igual para igual ou ainda prevalece aquela proteção natural do homem com relação à mulher?
No Muzenza não existe proteção, existe respeito.

Como os movimentos da Capoeira podem ajudar na modelagem do físico feminino?
Através de muitas repetições e muito treino, você adquire uma boa performance.

E sua alimentação?
É balanceada com frutas, verduras e muita carne branca, pois levo mais para o lado natural.

Quais são suas pretensões com relação ao futuro ?
Ver os capoeristas unidos e acabar com essa bagunça de tanta gente virar « mestre » da noite para o dia.

Você participa da roda de rua?
Não só de rua como também já fui em rodas nas favelas e suburbios do Rio de Janeiro que, para mim, é onde tem mais dendê.

Sua mensagem aos capoeiristas:
Seriedade e trabalhar mais em prol da Capoeira para termos uma sociedade mais justa.
Instrutora Criança